Sobre

Formado em psicologia, Lucas Adon sempre atuou junto aos Direitos Humanos e a pessoas em situação de rua. A profissão acaba servindo como inspiração para seu trabalho de música brasileira. Recentemente, ele lançou o clipe de “Tem, Mas Tá Em Falta”, com direção de Nícolas Vargas (MTV, TV Futura e outros), e prepara a estreia do álbum “Do Luto à Luta”.

A música pulsa no sangue desde muito cedo, já que seu pai é ex-baixista da cantora Angela Maria, além de ter feito parte do time do antigo Bambalalão – programa infantil da TV Cultura – e ter criado, em seguida, a Rádio Balangandan, também com foco nas crianças. Hoje, é ele quem acompanha o filho no baixo. Juntos, já fizeram também teatro infantil, que ficou em cartaz nos teatros e SESCs paulistanos.

Lucas Adon fazia parte da passeata “Movimento Passe Livre”, quando um policial sem identificação apontou a arma para ele. Já tendo trabalhado na Secretaria dos Direitos Humanos, o artista sabia bem os seus direitos e fez questão de erguer as mãos e dizê-los em voz alta ao policial, que acabou desistindo da ameaça, mas não sem antes usar de seu poder e mandar dispersar. A cena foi fotografada e acabou se tornando capa de seu primeiro disco, totalmente independente: “Liberdade LTDA”.

As faixas passeiam pelo pop/rock e têm uma pitada de música brasileira. Os temas incluem amores vividos e idealizados, assim como questionamentos políticos e sociais. As composições não pararam e outras canções começaram a tomar forma, com referências novas e seguindo um caminho de arranjos cada vez cuidadosos – experimentações que diferenciam do primeiro trabalho. “Do Luto à Luta” é o álbum que chega em 2018, dividido em duas partes. Na primeira, a grande perda faz com que o cantor viva, faixa a faixa, uma fase do luto. Na segunda, ele se reergue e vai à luta por transformações.